A noite da homenagem a Lúcio Flávio Pinto e Alberto Dines na entrega do Prêmio Vladimir Herzog

O blog Todos com Lúcio Flávio Pinto esteve lá. Confira a cobertura.

Hoje, com este prêmio que muito me emociona, vocês estão dizendo que aquele jornalzinho, lá em Belém do Pará, pequeno, que não tem foto, que não tem cor, não tem mulher nua, não tem colunista social, merece viver. Nós merecemos viver. Muito obrigado! (Lúcio Flávio Pinto)

Lúcio Flávio Pinto recebeu o prêmio pelo conjunto de seu trabalho.

O jornalista paraense Lúcio Flávio Pinto, editor do Jornal Pessoal, recebeu, na última terça-feira (23), o Prêmio Especial Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, em cerimônia realizada no Teatro da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Tuca), na capital paulista. O paraense dividiu a homenagem com o jornalista, professor e escritor Alberto Dines, que comemora 80 anos de idade e 60 de profissão.

O prêmio é atribuído por uma comissão julgadora composta por membros de diversas entidades ligadas à comunicação e de defesa dos direitos humanos, contemplando  trabalhos realizados por jornalistas brasileiros nas categorias artes, criança de em situação de rua (especial), fotografia, internet, jornal, rádio, revista, documentário de TV e reportagem de TV. Foram concedidas menções honrosas nas mesmas categorias, sendo um dos um dos agraciados o também paraense Ismael Machado, do Diário do Pará, pelo Dossiê Curió.

Integram a comissão julgadora representantes do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo; da Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo; da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção São Paulo – OAB/SP; do Fórum dos Ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo; da Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ; da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP; da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo; do Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil – UNIC Rio; da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo – ABRAJI; da Associação Brasileira de Imprensa – Representação em São Paulo – ABI/SP e do Instituto Vladimir Herzog.

A noite também foi de entrega do Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão, que chegou à quarta edição valorizando trabalhos acadêmicos na área de jornalismo. Três equipes de diferentes universidades brasileiras, coordenados por um professor, terão a oportunidade de desenvolver a pauta proposta por elas mesmas sob a supervisão de um jornalista profissional. Este prêmio é uma realização do Instituto Vladimir Herzog.

Estiveram presentes, entre outros, a ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República; Rosa Cardoso, membro da Comissão Nacional da Verdade; Clarice Herzog, viúva do jornalista Vladimir Herzog; e a família do ex-deputado federal Rubens Paiva, desaparecido político no período da ditadura militar e tema da reportagem de TV premiada de Miriam Leitão para a Globo News (“Caso Rubens Paiva: uma história inacabada”).

José Roberto de Toledo, vice-presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e membro da comissão organizadora, abriu o evento lembrando que a entrega da premiação coincidia com a publicação de dados relacionados ao aumento da violência em São Paulo e que se estendiam também ao trabalho dos jornalistas. Ele se reportava ao caso do repórter André Caramante, da Folha de São Paulo, que precisou se exilar depois de ter publicado matéria sobre o coronel reformado da Polícia Militar Paulo Adriano Lopes Lucinda Telhada, que usa sua página no Facebook para pregar a violência e passou a incitar o público contra o jornalista. Caramante decidiu sair do país depois que sua família passou a ser perseguida por policiais à paisana.

Toledo também se reportou ao fato de o Brasil ocupar um dos primeiros lugares no ranking de países latino-americanos que mais apresentam investidas contra jornalistas. Ao fazer esta menção, ele citou a situação do jornalista Lúcio Flávio Pinto, que enfrenta 33 processos na justiça, interpostos por empresários, servidores públicos e juízes. Por causa disso, informou, a próxima temática do prêmio Vladimir Herzog será “Violência e agressões físicas e morais contra jornalistas”.

Já a ministra Maria do Rosário, em seu discurso, ressaltou o papel da Comissão da Verdade no exercício do “inalienável direito de saber” sobre o “tempo triste de censura e tortura” no Brasil, e destacou a necessidade de se forjar uma “cultura de direitos humanos” na sociedade. Para ela, é essa cultura que vai ajudar a melhorar e a mover as ações do Estado, que deve zelar pelo cumprimento dos direitos humanos, “o que nos faz acreditar naquilo que Vladimir Herzog pregava”. A ministra aproveitou para falar sobre a situação de violência que vivem os índios Guarani-Kaiowá, em Mato Grosso do Sul, afirmando que o governo está atento às circunstâncias para que os indígenas tenham direito de viver sua etnia.

Homenageados – Coube ao jornalista alagoano Audálio Dantas, um dos grandes nomes da comunicação brasileira, fazer a saudação aos dois homenageados da noite. Ao falar sobre Lúcio Flávio Pinto, ressaltou a importância do Jornal Pessoal que, em 25 anos de publicação, tem sido uma das principais fontes de referência sobre a Amazônia. Segundo ele, para se conhecer profundamente a região nos dias atuais, há de se consultar o que escreve Lúcio Flávio em seu jornal e em seus livros. “É uma instituição amazônica [para] quem quiser saber sobre a Amazônia, principalmente o que a Amazônia tem de riqueza e de pobreza, essa pobreza que se choca com essa riqueza, essa riqueza que é explorada de todas as maneiras, e muitas vezes de maneira ilegal”, afirmou.

E ressaltou: “O Lúcio Flávio é o único que sustenta hoje, no Brasil, um jornal que se pode chamar de alternativo, porque faz esse jornal sozinho há 25 anos desde o momento em que as suas matérias, a maioria das quais de críticas severas contra a exploração desordenada e violenta da Amazônia, não encontravam mais espaço nos veículos da grande imprensa. Então, ele resolveu fazer o seu jornal, que não aceita publicidade, porque ele considera que, ao aceitar, assume compromisso que sua consciência não permite”.

Destacou a coragem de Lúcio Flávio em continuar a exercer seu jornalismo mesmo pressionado pelas ações que estão em curso nos dias atuais. “O Lúcio Flávio é vítima daquilo que chama hoje, no Brasil, de censura togada. São aqueles juízes que, acima da Constituição, mandam jornalistas se calar. Ele nunca se calou e por isso…” Citou especialmente a condenação sofrida pelo jornalista em indenizar os herdeiros do megaempresário Cecílio do Rego Almeida, mesmo tendo sido comprovadas as denúncias feitas por Lúcio da grilagem de 5 milhões de hectares na região do Xingu; e mesmo que a justiça federal tenha determinado o cancelamento de todos os registros de terras feitos de forma fraudulenta, conforme procedimentos apurados e publicados por Lúcio Flávio em seu jornal, em 1999.

“Continua valendo [a condenação], porque ele não tinha o dinheiro para pagar essa indenização. Mas ela produziu, ao mesmo tempo, um formidável movimento de solidariedade que se espalhou por todo o país, principalmente por jornalistas que disseram: ‘Todos nós somos Lúcio Flávio Pinto’. É esse camarada aqui”, apontou para Lúcio Flávio, sendo bastante aplaudido pela plateia. “Isto valia ser dito aqui, porque simboliza um protesto contra essa censura que permanece, aqui e ali, em defesa, na maioria das vezes, de interesses peculiares”, encerrou.

Dantas, ao se referir a Alberto Dines, apontou a sua dedicação à causa do jornalismo brasileiro, desde os anos de 1950. “Ele tem sido um mestre”, enfatizou. “Quando o jornalismo brasileiro passava por modificações importantes, principalmente no Rio de Janeiro, ele foi um dos profissionais da linha de frente dessas transformações, passando por várias publicações, entre as quais, a Última Hora, que é enfim uma revolução jornalística; e depois a transformação do Diário da Noite. E já no começo dos anos 60, em 1962, seria o editor-chefe, o tocador da maior reforma jornalística já ocorrida no país, no século passado, que foi o Jornal do Brasil”, relembrou. Também ressaltou o pioneirismo e a competência de Dines no exercício da crítica da mídia, na direção do portal Observatório da Imprensa.

Em seguida, Lúcio Flávio Pinto e Alberto Dines discursaram para agradecer a homenagem. Leia os discursos a seguir.

Ao final da cerimônia, Lúcio Flávio e Audálio Dantas autografaram seus novos livros: A Amazônia em questão: Belo Monte, Vale e outros temas (B4! Editores) e As duas guerras de Vlado Herzog (Editora Civilização Brasileira), respectivamente.

O Prêmio Vladimir Herzog foi instituído em 1978 por um conjunto de instituições ligadas ao jornalismo e aos direitos humanos, tendo por objetivo valorizar os trabalhos nas áreas da cidadania e dos direitos humanos; homenagear profissionais que se destacam no setor e, ainda, reverenciar a memória de Vladimir Herzog, jornalista morto nas dependências do DOI-Codi, em São Paulo, durante a ditadura militar.

Confira aqui a lista de todos os premiados.

Discursos

Lúcio Flávio Pinto

Sinto-me em casa aqui em São Paulo, onde morei por cinco anos, me formei na Escola de Sociologia e Política – tem até um colega meu de escola aqui presente –, e nasceu minha primeira filha aqui.

Eu estava em Belém, em 1987, já com 21 anos de jornalismo, quando, um dia, fiz, depois de três meses de investigação, uma matéria sobre o assassinato do ex-deputado Paulo Fonteles de Lima, um dos crimes políticos mais graves que já ocorreu no Pará. E essa matéria estava redonda, completa (ela ganhou o Primeiro Prêmio Fenaj, da Federação Nacional dos Jornalistas), e eu apresentei à diretora do [jornal] Liberal, que depois moveu cinco ações contra mim, e ela me disse que, infelizmente, não podia publicar porque envolvia dois dos maiores anunciantes da empresa, e um deles era considerado um dos homens mais ricos do Pará e outro, o maior armador fluvial do mundo.

E nós, jornalistas, já ouvimos esta frase várias vezes: “Ah, quer publicar? Faz o teu jornal”. Eu já havia experimentado fazer alguns jornais, disse: “Vou fazer um jornal para publicar essa reportagem”. Um jornal de custo mínimo, uma só pessoa, também sem qualquer possibilidade de dissidência (gargalhadas da plateia) e iria recusar publicidade. Primeiro jornal que recusaria publicidade. Me lembrei do Opinião, onde trabalhei também com Raimundo Rodrigues Pereira, e o Opinião disse: “Jamais a publicidade será superior a 20%”. Nunca precisou ter essa preocupação. Então, resolvi eliminar até essa preocupação metafísica.

Eu fiz o jornal, achando que o Jornal Pessoal fosse um jornal alternativo. Se fossem as teorias de Comunicação corretas, ele não precisaria existir, porque nós estamos no período da mais longa democracia da República brasileira. Mas eu vi que, ao longo do tempo – já se vão 25 anos –, o Jornal Pessoal  se especializou, involuntariamente, em publicar o que a grande imprensa não publica sobre a Amazônia. Não publica às vezes porque não sabe; não publica às vezes porque omite ou manipula, e os interesses que a Amazônia provoca hoje são mundiais. Neste momento, o maior trem de carga do mundo está fazendo a sua oitava viagem levando minério de ferro, o melhor minério de ferro do planeta, para a Ásia, 70% dele para a China e 20% para o Japão. É  maior trem de carga, leva quatro minutos, passando por determinados pontos, tem 330 vagões, quatro quilômetros de extensão.

Então, a imprensa não publica e o Jornal Pessoal se mantém porque simplesmente diz a verdade, e a verdade se tornou pecaminosa, tem de ser perseguida em plena democracia! O que acontece com nossa democracia, quando a justiça passa a ser o instrumento de perseguição?

Um grande cientista político alemão, Franz Neumann, analisou os julgados a República de Weimar, antes do Hitler – ele teve que fugir da Alemanha para os Estados Unidos. E ele mostrou que justiça de Weimar, da República Democrática de Weimar, julgava diferentemente as pessoas: os socialistas eram punidos violentamente, os nazistas, não. Nós estamos, no Brasil, numa justiça da República de Weimar e, por isso, a justiça, que é o esteio da democracia, hoje aparece nos sertões, nos limbos do Brasil, como a ameaça.

E entre esses 33 processos que o Audálio Dantas, grande personagem, modelo para todos nós, jornalistas, lembrou o caso de um grileiro, que grilou terras. E eu fui condenado a indenizar o grileiro por chamá-lo de grileiro. A justiça do Estado [do Pará] me condenou, reconhecendo a grilagem, e a justiça federal deu a decisão contra ele. Como eu não tinha dinheiro para pagar, e não tinha mais a que recorrer, porque o presidente do STJ, Ari Pargendler, ele simplesmente pegou as formalidadezinhas da lei e ignorou a substância e as próprias decisões do Superior Tribunal de Justiça. Resolvi não mais recorrer e, em 10 dias, os brasileiros, sobretudo de São Paulo, aderiram à nossa coleta e nós reunimos dinheiro suficiente para pagar.

Agora, o problema é pagar. Não existe nenhuma legislação da justiça brasileira do réu que quer pagar. Todo réu foge de pagamento. Eu quero pagar, porque no dia em que eu for pagar, em nome de 770 pessoas que me deram dinheiro para eu pagar, eu quero dizer: “Essa justiça é iníqua. Essa justiça não tem identidade nenhuma com a nação”. Então, esse pedido único na história do judiciário brasileiro está na mãos do juiz, o juiz não sabe o que fazer para eu pagar a minha indenização. Então, eu acho que, à parte os interesses corporativos, os empresariais, nós, jornalistas, temos que colocar a mão na nossa consciência e dizer: ‘Nós estamos sendo covardes? Nós estamos querendo fugir dos riscos? Nós estamos querendo ficar ao lado do computador, ao lado do telefone, não na linha de frente, olhando as pessoas e vendo o Brasil real?’

Hoje, com este prêmio que muito me emociona, vocês estão dizendo que aquele jornalzinho, lá em Belém do Pará, pequeno, que não tem foto, que não tem cor, não tem mulher nua, não tem colunista social, ele merece viver. Nós merecemos viver. Muito obrigado!

Alberto Dines

(Reproduzido do Observatório da Imprensa)

O melhor prêmio que se pode conceder a um jornalista é a oportunidade para seguir trabalhando. Somos escravos do efêmero, vítimas da fragmentação; assim como aos equipamentos, querem nos condenar à obsolescência, isto é, nos desativar, descontinuar. O reconhecimento é a nossa chance – ainda que fugaz – de avisar que estamos atentos, ativos, portanto vivos. Este privilégio vale mais do que medalhas de ouro – aliás, a única que recebi nos últimos 60 anos foi roubada num arrastão no meu prédio.

Também sabemos conviver com os holofotes, sobretudo em ocasiões como esta em que o inspirador deste prêmio, os objetivos da premiação e os companheiros premiados simbolizam os mais preciosos valores da arte jornalística – solidariedade, decência, dedicação.

Esta é uma festa, não é hora para lamentar a suprema ironia de, sendo arautos das mudanças, somos também suas primeiras vítimas. Cultores da palavra livre, estamos aprisionados por um palavrório vazio e perverso, geralmente composto por neologismos como “monetização”, “modelo de negócios”, “terceirização”, “outsourcing”, “sinergia”, “aliança estratégica”, “desativação”, “obsolescência”.

Éramos marginais no início, em seguida fomos reconhecidos como trabalhadores, depois nos transformaram em PJs, agora querem que sejamos empreendedores. Tudo bem, seremos empreendedores, mas pelo menos facilitem a desconcentração, abram espaços. Mas, por favor, não despachem nossos jornais para as nuvens virtuais porque de lá voltarão emitindo grunhidos com 140 caracteres.

Não pensem que o mundo é movido por gadgets, o mundo é movido por ideias, por gente. Sócrates, pai da filosofia, não sabia ler nem escrever e inventou o diálogo.

A informação hoje ou é codificada através de números ou glamourizada pela informalidade. Inovação é um vale-tudo que virou retrocesso. O jornalismo forjado na esfera do espírito e da moral está a reboque da banalidade. Éramos os buscadores da verdade, hoje querem de nós apenas meias verdades. Às vezes, apenas meias meias-verdades. Desde que abençoadas pelo capelão da empresa. Deo gratias.

Mesmo assim, estamos aqui, sob a égide de um idealista chamado Vladimir Herzog, irmanados pelo compromisso de restaurar o acontecido. Não somos juízes, mas sabemos desencavar destroços e com eles contar histórias. É a nossa especialidade.

Contar a história

A absurda tese do suicídio de Vladimir Herzog foi derrubada trinta e sete anos depois. Foi morto nas dependências de uma repartição militar onde se apresentou voluntariamente um dia antes. Mas não podemos esquecer que semanas antes Vladimir Herzog foi submetido a um autêntico bullying jornalístico por um profissional da imprensa marrom chamado Claudio Marques, que sugeria cinicamente sua internação no “Tutóia Hilton”, nefanda alusão à localização do Doi-Codi.

Herzog era tímido, não me conhecia, pediu a Zuenir Ventura que me contasse a campanha de difamação contra ele empreendida pelo colunista do Shopping News. Fiz uma denúncia no “Jornal dos Jornais” [coluna dominical de crítica de mídia publicada na Folha de S.Paulo entre julho de 1975 e julho de 1977], não adiantou: uma semana depois, Vladimir Herzog foi assassinado.

Claudio Marques, jamais foi convocado a prestar contas sobre sua cumplicidade. Vi-o uma vez na redação da Folha de S.Paulo, fazia parte da corriola da linha-dura que andava por lá, era próximo do coronel Erasmo Dias, assíduo em outras redações paulistanas.

Cabe a nós completar esta e outras histórias. Nossas pautas são enormes. Com prêmio ou sem prêmios precisamos tocá-las. Podemos ser encostados, jamais seremos descartáveis. Parafraseando Kant, nossa missão é interminável. Com ou sem papel, nosso papel é intransferível.

Anúncios

11 Comentários

Arquivado em Ação coletiva

11 Respostas para “A noite da homenagem a Lúcio Flávio Pinto e Alberto Dines na entrega do Prêmio Vladimir Herzog

  1. Lúcio Flávio Pinto merece com louvor esse prémio pela sua luta em defesa da Amazônia e pela seriedade como faz jornalismo. Parabéns Lúcio.

  2. valdemiro a. m. gomes

    Você é especial. Diferente. Parabéns. Paz e saúde.
    Valdemiro

  3. quero sim é agradecer ao senhor lúcio flávio pinto.por fazer a gente acreditar ainda na humanidade e saber que existem pessoas como ele ainda. parabéns. ass: sergio fialho

  4. quero sim é agradecer ao senhor lúcio flávio pinto,por fazer a gente acreditar ainda na humanidade e saber que pessoas como ele possam existir ainda. parabéns.

  5. Estive presente à solenidade e quero aqui cumprimentar a competência do repórter autor dessa matéria. Foi tudo exatamente como aí está dito. No entanto, há um erro :a pemiação não foi concedida pelo Instituto Vladimir Herzog.
    O “34º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos” ( concurso que reuniu 545 matérias candidatas ) e o ” Prêmio Especial Vladimir Herzog 2012″ ( o agraciado não pleiteia, é homenageado ) são concedidos pelas seguintes instituições : Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, Instituto Vladmir Herzog, Federação Nacional dos Jornalistas, Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo, Associação Brasileira de Imprensa/ Representação em São Paulo, Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil, Escola de Comunicações e Artes da USP, Fórum dos Ex-Presos e Perseguidos Políticos de São Paulo, Ordem dos Advogados do Brasil / Seção São Paulo e Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo.
    Agradeço se for possível fazer a retificação.
    Um grande abraço aos responsáveis pelo ” Todos com Lúcio Flávio Pinto ” e vida longa, livre, multiplicadora e produtiva ao grande Lúcio.
    Sergio Gomes

  6. Ivete Botelho

    Uma das pessoas que mais respeito em Belém. Pela grande e constante luta em defesa dos direitos de expressão e respeito pelo cidadão.

  7. octavio josé pessoa ferreira

    Prezado Lúcio,

    Parabéns pelo premio e pela sua lucidez. Sua existência e sua luta é o melhor premio para nós que o admiramos.
    Um abraço.
    Octavio Pessoa

  8. Lívio Pinto

    HOJE A NOITE NA RECORD NEWS ÀS 22:15, PAULO HENRIQUE AMORIM ENTREVISTA LÚCIO FLÁVIO PINTO.

  9. Jorge

    E hoje ele será entrevistado no programa do Paulo Henrique Amorim da Record News, às 22h15!!!

  10. Mauro O'de Almeida

    Prezado Lúcio,

    Passados tantos anos de sua atuação, não sei se, no recebimento de mais um prêmio de reconhecimento pelo seu trabalho, cabem “parabéns”.
    Prefiro festejar a sua vida, a sua saúde, sua competência, mas, sobretudo, a sua postura digna, a sua motivação para continuar, apesar dos obstáculos, e tudo o que representa a sua permanência em atividade.
    Siga em frente.
    Mauro O’de Almeida

Manifeste solidariedade

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s