Lúcio Flávio Pinto paga indenização aos herdeiros do grileiro de 5 milhões de hectares de terras públicas do Xingu

NOTA AO PÚBLICO

Depositei ontem em conta do poder judiciário R$ 25.116,75. Esse dinheiro, obtido através de coleta pública nacional pela internet, se destina aos sucessores e herdeiros do empresário Cecílio do Rego Almeida. Corresponde à indenização que a justiça do Pará me obrigou a pagar ao dono de uma das maiores empreiteiras do Brasil, a Construtora C. R. Almeida, com sede no Paraná.

Foi o desfecho de uma ação que ele iniciou em 2000. Alegou ofensa à sua honra pessoal por eu o ter chamado de pirata fundiário, em artigo publicado no meu Jornal Pessoal. Na época, cobrou R$ 4 mil como reparação pela sua honra ofendida. O valor final, de R$ 25 mil, decorreu da correção monetária e dos acréscimos do processo.

Eu podia continuar a recorrer, como fiz ao longo de mais de 10 anos. Mas achei que o cinismo, a injustiça e o propósito deliberado de me atingir exigiam uma resposta mais contundente, à altura do surrealismo da situação. Decidi não recorrer mais. E fiz algo inédito nos anais forenses: compareci espontaneamente ao foro e pedi para pagar a indenização.

O juiz que me condenou, Amílcar Guimarães, atuou como substituto na vara pela qual o processo tramitava, em 2005, por um único dia, enquanto a titular viajava para fazer um curso de três dias no Rio de Janeiro. Sua sentença fraudou a data para poder ser recebida, quando ele já não podia mais atuar no processo. Não consegui anular essa decisão, apesar de todos os recursos que utilizei. Não consegui sequer a punição do juiz fraudador, A sentença foi mantida no tribunal.

A história já é conhecida e a relembro num artigo que escrevi para minha coluna, Cartas da Amazônia, no portal do Yahoo!. Através dela, convoco novamente os amigos e simpatizantes, que aderiram à “vaquinha” para a coleta dos fundos para a indenização, a participarem de uma nova rodada, agora para as manifestações daqueles que também acham que a situação merece uma resposta. Este é meu convite: vamos mostrar à justiça do Pará que se ela reprime a verdade, nós a exaltamos. E estamos dispostos a pagar qualquer preço para fazê-la prevalecer sobre o absurdo do poder absoluto.

Belém, 13 de março de 2013

LÚCIO FLÁVIO PINTO

Anúncios

6 Comentários

Arquivado em O que Lúcio nos diz

6 Respostas para “Lúcio Flávio Pinto paga indenização aos herdeiros do grileiro de 5 milhões de hectares de terras públicas do Xingu

  1. Hermes Medeiros

    Obrigado por nadar contra a corrente e pela contribuição que isto tem trazido para o Brasil.

  2. roberto elias hopf munhoz

    Lucio Flávio, nos conhecemos no período que dirigi o jornalismo da Record aí no Pará e manifesto meu apoio à tua causa. Hoje sou chefe de redação da Rede tv em Sp. Grande abraço e se precisar, conta comigo.

  3. José Cláudio Seixas de Aragão

    O Lúcio Flávio deveria estar agoniado com esse dinheiro todo em suas mãos.
    Ontem entregou para essa justiça imoral, para tentar acordar os íntegros que ainda existam no país, para que façam alguma coisa.
    É UMA VERGONHA!!!!!
    Lúcio Flávio, exemplo de integridade e honestidade, conte sempre conosco.
    Um abraço,Aragão

  4. Pingback: Jornalista do Pará paga indenização a herdeiros de grileiro | Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos

  5. waldircardoso

    Estamos juntos!

  6. waldircardoso

    Reblogged this on Waldir Cardoso.

Manifeste solidariedade

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s