Lúcio Flávio Pinto pergunta a quem vai beneficiar a nova frente de extração do minério de ferro de Carajás

Arte: LuizPê

Arte: LuizPê

 

A edição de nº 543 do Jornal Pessoal chega às bancas nesta sexta-feira, 16. Veja as chamadas:

CARAJÁS

A China é aqui

A Vale começou a preparar a exploração da melhor jazida de minério de ferro do planeta. Para favorecer os compradores, principalmente a China, ou enriquecer paraenses e brasileiros? Até agora, estes perdem de goleada para aqueles.

E mais:

  • CANCELADO CONTRATO DO JATINHO MAIORANA
  •  SANTARÉM NÃO É A CAPITAL DE ESTADO
  •  BELÉM DA MINERAÇÃO NO LUGAR DA BORRACHA

* No próximo número, o Jornal Pessoal completará 26 anos de vida. O jornalista Lúcio Flávio Pinto convoca os leitores a participar da edição comemorativa, escrevendo sobre quaisquer temas de interesse público, principalmente sobre a situação da imprensa no Pará. Participem. Enviem seus textos para jornal@amazonet.com.br 

3 Comentários

Arquivado em O que Lúcio nos diz

Veja as chamadas do Jornal Pessoal que chega às bancas nesta quinta

Arte: LuizPê

Arte: LuizPê

 

IMPRENSA

O poder do poder

Diário do Pará e O Liberal se igualam num ponto: abusam do poder de abusar da opinião pública. Os dois inimigos mortais não respeitam seus leitores. Usam todos os recursos na guerra que travam entre si e na manipulação da sociedade.

E mais:

  • A FERROVIA PELA METADE
  • UMA HISTÓRIA DO RIOCENTRO
  • A CABEÇA DE PAULO

 

Deixe um comentário

Arquivado em O que Lúcio nos diz

Entrevista com Lúcio Flávio Pinto

Reproduzido da edição de nº 541 (2ª quinzena de julho de 2013) do Jornal Pessoal.

O lado pessoal do jornalista na perspectiva feminina

Minha ideia inicial de fazer desta edição uma genuína edição de férias de julho frustrou-se. A conjuntura não permitiu. Mas reservei este espaço para uma matéria mais apropriada à saison. São as respostas que dei a questionário formulado por jornalistas que constituem a base do blog Somos Todos Lúcio Flávio Pinto, espaço precioso para a defesa do meu jornalismo e do jornalismo independente em geral. Espero que os leitores dividam comigo o prazer de atender as abordagens femininas, que constituem uma perspectiva muito especial das questões.

SÍLVIA SALES

Que paixão te diverte? (Não vale citar família, trabalho, jornalismo, Amazônia, tá?)

Coração à parte, em primeiro lugar, ler. Um dos raros objetos que me prendem é o livro, feito de matéria e espírito como nenhum outro. Minha ligação ao livro é intrauterina. Mamãe lia “Quo Vadis”, do Henryk Sienkiewicz, quando sentiu meus empurrões lá dentro (já saí para o mundo com fome, disse ela). Como estava em cena o romano Lucius Flavius, levei esse nome. A outra paixão é a música, já em escala menor. Algumas paixões ficaram pelo caminho, como a prática de esportes (sobreviveu a natação) e o cinema. Mas ainda adoro andar. Não como atleta, mas como voyeur. Este é outro prazer sensorial e sensual: o do olhar. Só superado por outra paixão superior: pensar. Adoro ver e meditar. As caminhadas e a natação são a melhor maneira de praticar ambas paixões.

Tu te consideras um homem vaidoso? Onde está manifestada essa vaidade? Desenvolve.

Sinceramente, sou vaidoso numa dosagem normal – e decrescente. Já me importei com roupa. Há muito tempo não me importo mais. E com aparência, da qual, com o aval dos mais de 60 anos, já não preciso me preocupar. O excesso de vaidade tira a virilidade do homem. Não em sentido estrito, ou restrito. Mas num sentido muito amplo. A vaidade é um dom natural na mulher, que a complementa e sublima. Já ao homem imbeciliza. Tira-lhe a autocrítica e até, nos casos extremos, a capacidade de raciocinar. Vi homens inteligentes se apagarem ao menor elogio, mesmo o descaradamente utilitário – ou falso.

Paixão é a filha gostosa da insensatez?

Quanto mais insensata, mais gostosa fica. E vice-versa. Depois da fase em que os erros são aceitáveis e a margem de erro admite a insensatez, melhor mantê-la à distância. O homem maduro é aquele que alcança o maior grau possível de autonomia, de comando da sua vida.

Sobre os movimentos feministas no Brasil, qual a tua avaliação?

Inteiramente a favor. Recordo uma charge do Angeli do personagem machista, o Bibelô. Ele vê uma mulher linda na praia e faz a abordagem, ao estilo. Ela reage com um “não gosto de homem”. Ele completa: “Nem eu. Primeiro ponto em comum”. A mulher é a suprema criação divina. Mesmo quando faz tudo para negar isso.

Algum arrependimento?

Muitos. Tantos que não caberiam neste espaço. Mas quando a gente tem consciência do erro, arrepender-se é a melhor maneira de aprender e se corrigir. Por isso me exponho à correção de todos aqueles que percebem e apontam meus erros. Ainda espero ser um pouco melhor do que sou. Se não conseguir, autorizo que coloquem na minha lápide: ele tentou.

RAYZA SARMENTO

Qual a sua avaliação dos cursos de jornalismo no Estado do Pará, a partir de sua experiência como docente? O que deve ser aprimorado para que os profissionais em formação consigam refletir e escrever com mais propriedade sobre a Amazônia?

Só escreve bem quem lê. Lê em geral e de tudo. Mas lê, em especial, literatura. Para um jornalista, especificamente, mais importante até do que ler os clássicos, indispensáveis por qualquer demanda, é ler textos com narrativas e descrições. Bons thrillers e literatura B, que refletem o cotidiano, são essenciais. Assim como ler as publicações da imprensa periódica. E se exercitar na criação de textos libertos das amarras dos manuais.

O problema é que tanto o jornalista já formado quanto o estudante de jornalismo leem pouco – e costumam ler mal. O princípio norteador da leitura deve ser o prazer, o desfrute, o deleite mais do que a preocupação – que costuma ser obsessiva – de aprender logo. O sujeito lê e ficha ao mesmo tempo. Assim, não pode haver leitura lúdica, passo necessário para a lucidez. Com prazer, o futuro jornalista desenvolve sua curiosidade e opta por seus métodos de investigação. O mundo passa a ser o seu universo. E ele, um auditor do universo.

Além  de uma mudança profunda nos currículos, é preciso separar o curso do jornalismo do curso de comunicação. Autônomos, ambos renderiam mais: para o aluno e para a sociedade.

SOCORRO VELOSO

Nos momentos em que você não está dedicado ao Jornal Pessoal e aos processos judiciais (imagino que são poucos), o que mais gosta de fazer?

Ler, ouvir música, andar pela cidade, conversar com amigos, visitar livrarias.

Tive a felicidade de conhecer sua mãe, dona Iraci, uma senhora simpática, que ajudava a localizar as edições antigas do JP, quando alguém – como foi o meu caso – estava precisando. Seu pai, Elias, teve uma história de vida muito interessante, e pontuada por momentos dramáticos. Qual o legado de seus pais para a sua formação pessoal e profissional? 

Mamãe foi o esteio de todos os seus sete filhos. Uma pessoa de rara bondade, generosidade e humildade. Só com o tempo fomos percebendo a profundidade da influência que ela exerceu sobre cada um de nós. Como no caso da leitura. Esse hábito sempre foi associado ao papai, que formou sua biblioteca e lia muito. Antes de aprender a ler eu já avançava sobre os livros dele. Um, em particular, foi importante: o belo dicionário Lello Universal. As ilustrações me atraíram. Um dia, estava com aquele volume, grande e pesado, sobre as perninhas.

Mamãe me disse depois que sentou ao meu lado e passou a ler os primeiros verbetes. Quando chegou ao ábaco, pedi para repetir. Fiquei maravilhado com o aparelho primitivo de calcular dos chineses, que perdurou como a forma mais rápida de fazer conta até o surgimento do primeiro computador, nos Estados Unidos, em 1946.

Dou esse exemplo sobre a atenção de uma pessoa simples sobre as coisas do espírito ao alcance das suas crias. Ela inspirava e orientava como atos naturais, talvez para se manter à sombra do chefe da família numa época ainda patriarcal. Deve ter avançado sobre a biblioteca do papai da mesma maneira que eu. Mas eu pude me expandir, ela não. Aí entra a forte influência do meu pai, tanto em sentido positivo quanto negativo.

Papai foi uma pessoa brilhante, que conseguiu desperdiçar todos os talentos que a vida lhe concedeu. Dilapidou o patrimônio – material e espiritual – que ele próprio construiu. Consegui ver seu lado bom e seu lado ruim. Ele me apresentou bem cedo ao mundo. Eu adorava sair com ele de jipe e percorrer o interior, onde ele fazia campanha política. Ou participar das rodas de conversa com tanta e tão diferenciada gente. Foi ele que plantou a semente do jornalismo nos filhos. Foi uma personalidade fascinante.

Nas páginas do JP, você costuma refletir sobre as mazelas de Belém. O que de melhor e o que de pior a cidade representa hoje, em sua opinião?

A Belém do quadrilátero das mangueiras é a face melhor da cidade. A Belém da periferia é a sua contrafação. São partes distintas e paradoxais de uma mesma cidade. Ao crescerem sem se tocaram, criam um cenário favorável ao conflito, à violência, à dissipação do seu potencial. Belém está se tornando, por isso, uma cidade monstruosa. Já foi bom viver aqui.

Já pensou em doar seu rico acervo de livros, documentos, jornais e revistas, como fez o José Mindlin, por exemplo?

As condições que o Mindlin impôs à doação dificilmente serão repetidas no Brasil. Ele era um homem rico, influente e respeitado. Concebeu uma forma de destinação ao seu acervo que obrigou o destinatário da doação a investir – e muito – na criação de uma estrutura para abrigar os livros e documentos, no acatamento de uma entidade autônoma e eficiente para administrar esse patrimônio e outras condições que previnem a coleção Mindlin das mazelas comuns em órgãos públicos.

Certamente eu não conseguiria impor essas condições. Aliás, nem penso no assunto. Tenho com a minha biblioteca a relação que Eidorfe Moreira teve com a dele: é uma biblioteca pessoal. Quando morrer, provavelmente perderei o comando que exerço sobre ela. Por ser um espelho da minha vida, é uma biblioteca estritamente pessoal.

Você é o nome mais conhecido, celebrado e estudado da imprensa amazônica. É exemplo de coragem, integridade e profissionalismo para gerações de jornalistas como a minha, que entrou na Universidade nos anos 80. Como espera ser lembrado pelas futuras gerações?

Como o jornalista que perguntava sempre e não descansava enquanto não encontrasse as respostas. O único mérito que um determinado jornalista pode ter é saber fazer as perguntas certas no momento certo. E ser capaz de guiar sua curiosidade conforme o interesse público.

Agora, cá entre nós: tudo que você disse é areia demais para o meu caminhãozinho.

ROSE SILVEIRA

Quando você cita autores que foram importantes para a sua formação, a lista é sempre masculina. E as autoras? Quais fizeram ou fazem a sua cabeça?

Depois que fiz a lista, à base do vapt-vupt, percebi isso que você agora registra. Listas são sempre isso: uma lembrança de momento. São muitas as mulheres na minha vida, literariamente falando. A começar pela mais influente delas, a poeta americana Elizabeth Bishop, uma das minhas leituras de cabeceira. As cartas dela são fonte de aprendizado interminável. A poesia é única. Ela passou momentos em Santarém e escreveu a melhor poesia inspirada na cidade. Há Clarice Lispector, Cecília Meireles, Tereza Cesário Alvim, Adalgisa Nery, Mary McCarthy, Simone de Beauvoir, Simone Weil, Hannah Arendt, Anna Akhmátova. Há mais. Para depois.

Se a sua vida virasse um filme, que episódios não poderiam faltar?

Gostaria que um dia alguém me desse essa resposta objetivamente. Subjetivamente, as cenas decisivas sempre me vêm à memória. Não são poucas. Gostaria de lembrar apenas duas. Uma, foi a leitura do AI-5, no dia 13 de dezembro de 1968, na redação de “A Província do Pará”. Eu estava editando o jornal naquele dia. Peguei o texto do telegrama, fui para o bar do Chico, pedi um café e um bolo e fiquei a ler. Li e reli. Chocado, pedi mais um café (tomava uns 30 por dia nessa época) e fiquei a meditar. Eu tinha sido um participante do ano que não terminaria, me dividindo entre a universidade, com sua ocupação, e o jornal. Concluí que não havia mais lugar para mim depois do AI-5 em Belém do Pará. No dia 1º de janeiro de 1969 viajei para São Paulo. Achava que ali estaria o olho do furacão. Achei certo.

A outra cena foi em São Paulo, dois anos depois. Eu entrevistava o engenheiro e empresário Eduardo Celestino Ribeiro, paulista poderoso e influente, na antiga sede da Federação das Indústrias, no viaduto Maria Paula. Além de ser dono da Cetenco, Celestino tinha fazenda de gado no sul do Pará. E me falava sobre seus planos para a Amazônia, que consideravam indispensável derrubar a floresta para a formação de pastagem. Enquanto ele falava, meu olhar passou por ele, atravessou a janela do escritório e foi bem longe. Celestino era refinado, inteligente e quase culto. Se ele dizia aquelas coisas, o que não fariam os bugres bandeirantes paulistas do século XX?

Foi ali que decidi deixar a carreira acadêmica, como aluno de mestrado em ciência política de Oliveiros Ferreira e voltar para a minha terra. Minha Amazônia não era a mesma de Celestino. A dele, para se estabelecer, implicava a destruição da Amazônia que estava na minha raiz, na minha alma. Decidi entrar de vez no combate.

Falando em cinema, que filmes foram fundamentais na sua vida?

“Trinta anos esta noite”, “Quem tem medo de Virgínia Woolf”, “Os Indiferentes”, “Aquele que sabe viver”, “O silêncio”, “A velha dama indigna”, “Rio vermelho”,  “Ivã, o terrível”, “Vidas secas”, “Deus e o diabo na terra do sol”, “O desprezo”, “Blow-up”, “Alexander Nevski”, “Paixão de Ana”, “Marcelino, pão e vinho”. E outros mais.

Se você pudesse eternizar um momento na sua vida, qual seria?

O nascimento do meu primeiro filho, a Juliana. É quando o ser humano tem a ilusão de ser eterno. Ilusão que se prolonga pelos outros filhos – quatro, no meu caso – e os netos – também quatro, por ora.

2 Comentários

Arquivado em O que Lúcio nos diz

Confira as chamadas da nova edição do Jornal Pessoal

Arte: LuizPê

Arte: LuizPê

1 comentário

Arquivado em O que Lúcio nos diz

Novo JP: Lúcio Flávio Pinto analisa as manifestações no Brasil

Capa 540_LuizPê

Arte de Luiz Pê

 

Jornal Pessoal, edição de nº 540, primeira quinzena de julho, já está nas bancas de Belém com as seguintes chamadas:

PASSEATAS

As vozes das ruas

Ninguém deve ter dúvidas que o Brasil realmente mudou depois que os brasileiros foram às ruas para protestar e exigir mudanças. O fenômeno é tão surpreendente que ainda continua a desafiar a compreensão sobre o que é e o que pode representar ainda. Enfrentar esse desafio favorece a democracia.

  • A ESPIONAGEM DA MINERADORA
  • JARI: NOVA ETAPA DA SUA HISTÓRIA
  • BELO MONTE SAI, DIZ O GOVERNO

 

Deixe um comentário

Arquivado em O que Lúcio nos diz

Rebeldia e ativismo político na web

Publicado no Observatório da Imprensa em 25 de junho de 2013. Ver o original aqui.

Por Célia Regina Trindade Chagas Amorim

Professora e vice-diretora da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal do Pará

Este artigo analisa a formação de uma rede alternativa criada em 2012 na web em solidariedade ao jornalista e sociólogo Lúcio Flávio Pinto, editor do Jornal Pessoal. A hipótese desta comunicação científica assenta-se na ação cívica que a rede contra hegemônica tem proporcionado na geopolítica contemporânea ao dar visibilidade, por meio de articulações e interações locais/nacionais/globais, à perseguição jurídica e política que o jornalista vem sofrendo por parte das Organizações Rômulo Maiorana, uma das mais poderosas empresas de Comunicação na Amazônia; por empreiteiros que se apossam ilegalmente de terras na região; e pelo Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJE-PA), representado por juízes e desembargadores que usam como modus operandi o poder de negar sucessivos recursos impetrados pelo jornalista em sua defesa. A finalidade é calar a voz independente do periódico, que este ano completará 26 anos de atuação em defesa da causa pública na Amazônia. A rede de leitores, ativistas e profissionais de jornalismo vem se constituindo em uma nova esfera de ação comunicativa na web, engrossando outras esferas alternativas que se organizam independente do Estado, contra as injustiças na região. Os autores que balizam o presente estudo são Manuel Castells 1999; John Downing 2002; Berta Becker 2005; Violeta Loureiro, 2009.

Do local ao global

Negligenciar a história de luta de Lúcio Flávio Pinto é negligenciar uma parte considerável da história contemporânea da Amazônia. (CTA).

No mundo contemporâneo existem milhões de usuários agrupados em redes planetárias cobrindo todo o espectro da comunicação humana. A comunidade virtual “Somos Todos Lúcio Flávio Pinto” é uma delas. A rede se originou em fevereiro do ano passado, na internet, pelo direito de comunicação na Amazônia.

O epicentro foi a perseguição jurídica e política que vem sofrendo o sociólogo e jornalista Lúcio Flávio Pinto por parte das Organizações Rômulo Maiorana, uma das mais poderosas empresas de Comunicação na Amazônia; por empreiteiros que se apossam ilegalmente de terras na região, os chamados grileiros; e pelo Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJE), representado por determinados juízes e desembargadores. Estes, intérpretes do Direito, usam como modus operandi procedimentos administrativos e jurídicos para negar sucessivos recursos impetrados pelo jornalista em sua defesa. Trata-se de uma justiça que historicamente defende interesses de grupos hegemônicos na região. A finalidade é dar fim à experiência alternativa do Jornal Pessoal.

Mesmo depois da era pré-www – 1995 – (Castells, 1999), a luta pelo direito de comunicação do jornalista era restrita a leitores da região; ou quando muito a alguns brasileiros e estrangeiros que recebiam pelos Correios o Jornal Pessoal, ainda no padrão gutemberguiano. Amante da cultura letrada, Lúcio Flávio Pinto somente aderiu à “Rede das redes” (Castells, 1999) em 2008 quando postou o Jornal Pessoal na íntegra. De um universo de apenas 2000 leitores, o alternativo ampliou o seu público de forma globalizada, já que a arquitetura tecnológica da Rede é aberta, possibilita amplo acesso sem restrições governamentais ou comerciais.

A comunidade “Somos Todos Lúcio Flávio Pinto” consolidou as ações alternativas do jornalista na web por meio do sítio (site) (https://somostodoslucioflaviopinto.wordpress.com/). Hoje a causa do jornalista e os grandes temas publicados de forma crítica e analítica pelo Jornal Pessoal – como trabalho escravo em pleno século 21, grilagem de terras, tráfico internacional de drogas, monopólio das comunicações, nepotismo no judiciário paraense, prostituição infantil, assassinatos no campo, conflitos fundiários, as grandes devastações e queimadas, desmandos dos poderes constituídos institucionalmente, perseguições políticas a jornalistas, matança de índios, etc. – saíram do circuito local e são conhecidos no mundo inteiro. Trata-se de uma nova esfera de ação comunicativa na web, engrossando as fronteiras de outras esferas alternativas que se organizam independente do Estado contra as injustiças sociais na Amazônia.

A Rede das redes: a nova era da comunicação alternativa

A internet é a estrutura central da comunicação global mediada por computadores (CMC). Trata-se da Rede que conecta as redes. A coexistência de interesses e culturas na Rede resultou na forma da World Wide Web – WWW (Rede de Alcance Mundial). (Castells, 1999).

A internet, como base da CMC, favorece a criação de comunidades virtuais, que de acordo com Rheingold, citado por Castells, “são redes eletrônicas autodefinidas de comunicações interativas e organizadas ao redor de interesses ou fins em comum” e podem ser de dois tipos, as formalizadas, portanto patrocinadas; ou as concebidas por meio de ações espontâneas nas redes sociais. (1999, p.443). A rede em solidariedade a Lúcio Flávio Pinto obedece ao segundo formato e se materializa a partir de uma postura de contra hegemonia de indivíduos envolvidos em formas interativas de comunicação, com a finalidade de furar o fluxo unilateral das mídias oficiais e do Estado na Amazônia.

Os primeiros a usar a web como ferramenta política foram os grupos fundamentalistas cristãos, os militares norte-americanos nos Estados Unidos da América e os zapatistas, movimento contra hegemônico que surgiu nas florestas do sudoeste mexicano.

Mas a internet, aos poucos, começou a ser usada por cidadãos comuns como um meio poderoso para a sociedade civil global protestar. No início da década de 1990, por exemplo, Castells informa que a democracia local dos EUA começou a ser ativada por meios de várias experiências cidadãs. Ele cita a cidade de Santa Mônica, na Califórnia, em que pessoas debateram questões dos sem-teto e transmitiram as opiniões ao governo. (1999, p. 449).

Experiências mais recentes são registradas pelo mundo. Em 2011 atos de protestos explodiram no mundo árabe em decorrência do desemprego e da monopolização de poder e riqueza em mãos de ditadores que comandavam vários países há anos. Os conflitos nesta região, que ficaram conhecidos como Primavera Árabe, não eram novos, mas ganharam uma grande dimensão por meio de mobilizações sociais na web.

Nas ruas da Tunísia, por exemplo, atos populares foram ampliados pelas postagens na internet contra a ditadura de Zine el-Abdine Ben Ali. As manifestações levaram a queda do presidente desde 1987 no poder. No Egito aconteceram mobilizações contra o regime autoritário de Hosni Mubarak. O povo egípcio, composto por 70% de jovens, utilizou a internet para marcar data, hora e local das manifestações. O resultado foi a saída de Hosni Mubarak, que estava no poder há 30 anos.

No Brasil, no dia 07 de março deste ano, a eleição do deputado federal Marco Feliciano do Partido Social Cristão (PSC) para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) do Congresso Nacional, despertou reação negativa nas redes sociais, no parlamento brasileiro e nas ruas do país. O motivo foram as declarações homofóbicas e racistas do deputado. As minorias (como movimento LGBT e movimento negro) não se sentiram representadas pelo político, que também é pastor evangélico. No Facebook há registros da formação de grupos exigindo a saída de Feliciano do cargo. Dois deles são a comunidade “Cartazes & Tirinhas LGBT”, com aproximadamente 16 mil seguidores; e “Feliciano não me representa”, com mais de 12 mil seguidores.

Esses exemplos demonstram que na contemporaneidade as microredes ou redes como blogs, fotologs, comunidades, You Tube, MSN, Facebook, Twitter, etc., construídas a partir da sociedade civil representam um novo espaço de luta que é travada “à margem da mídia tradicional, mas que vai pelas bordas corroendo os grandes conglomerados e, dia após dia, ganhando novos leitores e adeptos” (FERRARI, 2010, p.36).

A Rede STLFP na geopolítica contemporânea

Antes de se adentrar na análise da rede contra hegemônica que se formou em solidariedade ao jornalista, é pertinente enfatizar a configuração geopolítica contemporânea assentada na revolução científico-tecnológica que possibilitou, entre outros fatores, uma ampliação da comunicação e de relações, por meio de fluxos e redes, em espaços-tempos diferenciados (BECKER, 2005).

A geopolítica, entendida como relações entre poder e espaço geográfico (BECKER, 2005), antes era caracterizada por pressões, intervenções, guerras, e conquistas do território, e estava representada no âmbito do poder do Estado. Na contemporaneidade este cenário mudou radicalmente. A geopolítica hoje se materializa na capacidade de poder influir de forma velada na tomada de decisão dos Estados sobre o uso do território. E para isso a Rede das redes torna-se fundamental.

De acordo com Becker,

“(…) Hoje, na acentuação de diferentes espaços-tempos reside uma das raízes da geopolítica contemporânea. As redes são desenvolvidas nos países ricos, nos centros do poder, onde o avanço tecnológico é maior e a circulação planetária permite que se selecionem territórios para investimentos, seleção que depende também das potencialidades dos próprios territórios. Ocorre que ao se expandirem e sustentarem as riquezas circulante, financeira e informacional, as redes se socializam. E essa socialização está gerando movimentos sociais importantes, os quais também tendem a se transnacionalizar” (BECKER, 2005, P).

Este novo cenário gerou dois mecanismos internacionais bastante complexos. Becker informa que o primeiro está relacionado ao sistema financeiro, da informação, do domínio do poder efetivamente das potências; já o segundo encontra-se no âmbito do internacionalismo dos movimentos sociais com seus atores sociais buscando suas próprias territorialidades, acima e abaixo da escala do Estado, suas próprias geopolíticas, articulando-se em escala planetária. “A Amazônia é um exemplo vivo dessa nova geopolítica, pois nela se encontram todos esses elementos” (Becker, 2005, p).

É no âmbito desta geopolítica contemporânea que se originou a rede “Somos Todos Lúcio Flávio Pinto” permitindo articulações e interações locais/ nacionais/globais para ampliar os protestos contra as violências físicas e jurídicas que o jornalista vem enfrentando por denunciar no Jornal Pessoal os sucessivos projetos geopolíticos internacionais e seus impactos ambientais e sociais na Amazônia. Trata-se de uma teia de redes que se posicionou politicamente tanto nacional quanto internacionalmente, promoveu manifestações e comentários na internet, com notícias e reportagens pelo mundo.

Por atitudes desta natureza é que Downing, pesquisador britânico, acredita que a internet, com foco numa postura de contra hegemonia, pode se transformar na “primeira esfera pública global” ao oportunizar “aos indivíduos e coletivos independentes de todo o mundo, a chance de comunicar-se, com suas próprias vozes, com uma audiência internacional de milhões de pessoas” (2002, p. 270-271).

Este exercício político da rede Somos Todos Lúcio Flávio Pinto foi adquirido no período de 1960-1985, era pré-internet, ambientada pela ditadura militar no Brasil, quando muitos amazônidas tiveram de lutar contra o projeto geopolítico dos novos donos do poder que tinha como matriz a apropriação privada das terras da Amazônia ao capital nacional e internacional. Grandes empresários nacionais e estrangeiros foram atraídos para a região por meio de vantagens de políticas públicas, propostas pelos militares. Mas a convivência com os povos tradicionais como índios, caboclos, ribeirinhos, seringueiros, colonos, não foi pacífica.

É a partir da década de 1970, como resposta a apropriação privada da terra e da natureza em geral pelo capital, com o consequente desapossamento e a expulsão de seus antigos moradores, que os movimentos sociais começam a se organizar e a definir mais concreta e objetivamente, estratégias de negociação e linhas de ação para fazer frente e resistir ao avanço do capital, embora o primeiro movimento social de luta pela terra tenha sido registrado na região antes de 1970 (LOUREIRO, 2009, p.46).

Como a terra amazônica foi colocada à venda ou grilada – apropriação irregular da terra, por meio de documentos falsos – Loureiro informa que no início dos anos 1990 os conflitos e os movimentos sociais de resistência se intensificaram e distribuíram-se em vários e diversos tipos. “Os casos mais generalizados diziam respeito aos conflitos decorrentes da grilagem de terras, com posterior apropriação da mesma pelo comprador, ou a revenda da terra grilada” (LOUREIRO, 2009, p.47). Na maioria dos casos a terra pertencia a povos tradicionais da região que, à revelia, sofriam e ainda sofrem com a prática da grilagem, seguidas de apropriação e venda de seus terrenos.

Mas entre avanços e derrotas, é importante lembrar que hoje, na geopolítica contemporânea, proporcionada pelos avanços na área da tecnologia e da comunicação, “essa sociedade tem voz ativa na Amazônia e no Brasil, inclusive muitos grupos indígenas” (BECKER, 2005, p.). Já Loureiro (2009, p.194) afirma que a maioria dos movimentos sociais na Amazônica tem caráter cívico e procura marcar o espaço público por meio de atos de cidadania, de reivindicação coletiva para a defesa e promoção dos direitos humanos.

A rede Somos Todos Lúcio Flávio Pinto é um exemplo de ação contestatória em solidariedade à causa do jornalista, que de uma forma mais ampla, transforma-se em uma radical insubordinação ao modelo de desenvolvimento hegemônico imposto à Amazônia.

Ações políticas da Rede STLFP: Rebeldia e ativismo na Amazônia

A importância de participações políticas coletivas na web, do perfil da rede Somos Todos Lúcio Flávio Pinto, ganha um caráter ímpar na história da Amazônia, região de dimensões gigantescas que abriga na parte brasileira quase a metade do território do país. O acesso ainda é difícil, lento, caro, mas as redes de computadores têm possibilitado, gradualmente, novas formas de organização, participação e solidariedade comunitária na região.

A campanha começou na rede social do Facebook por meio da seguinte fanpage: “Lúcio Flávio Pinto” link: (https://www.facebook.com/pages/L%C3%BAcio-Fl%C3%A1vio-Pinto/141568969261232) com mais de 3 mil internautas; e no microblog do site (https://twitter.com/somostodoslucio) com outros seguidores.

A ação em solidariedade ao jornalista foi deflagrada após a divulgação de um texto-denúncia de Lúcio Flávio Pinto na web. Eis uma parte do texto do jornalista, que motivou a criação da rede.

“(…) Como no poema hindu, se alguém tem que queimar para que se rompam as chamas, que eu me queime. (…) Não pretendo o papel de herói. (…). Sou apenas um jornalista. Por isso, preciso, mais do que nunca, do apoio das pessoas de bem. Primeiro para divulgar (…) iniquidades, que cerceiam o livre direito de informar e ser informado, facilitando o trabalho dos que manipulam a opinião pública conforme seus interesses escusos. Em segundo lugar, para arcar com o custo da indenização (…)” (Lúcio Flávio Pinto, em 14 de fevereiro de 2012).

A mobilização nas redes sociais (Facebook, Twitter, e-mail etc.) foi imediata e intensa, com notícias, comentários, notas e fotos sobre o assunto. Uma das primeiras postagens na web, datada do dia 13 de fevereiro de 2012, foi do respeitado jornalista Raul Martins Bastos, com o título “A história de uma injustiça. Uma indignidade”, enviado, por e-mail, ao jornalista Ricardo Kotscho.

“(…) Os amigos do Lúcio Flávio, entre os quais com muito orgulho me incluo, decidiram que ele não pode e nem vai ficar sozinho. Vamos batalhar para tentar esgotar todas as possibilidades jurídicas do caso. Vamos batalhar para que o caso ganhe espaço na imprensa e nas redes sociais. Vamos chamar a atenção da imprensa especializada e internacional para o caso. Vamos batalhar, se por acaso ocorrer o pior, para que ele tenha recursos para enfrentar a situação. O objetivo deste email é pedir a sua ajuda. Primeiro, divulgando o que está acontecendo no seu veículo de comunicação, na sua coluna, nos sites, redes sociais. Depois, nos ajudando nas ações nas áreas das comunicações e mobilização que tomaremos diante de cada circunstância” (BASTOS, 2012).

Ricardo Kotscho respondeu com artigo intitulado “Jornalista ameaçado: somos todos Lúcio Flávio” no dia 15 de fevereiro de 2012, postado no blog Balaio do Kotscho, com a publicação na íntegra do texto de Raul Bastos.

Lúcio Flávio Pinto foi condenado pela justiça do Pará a indenizar por danos morais um dos maiores grileiros da Amazônia brasileira, Cecílio do Rego Almeida, dono da Construtora C. R. Almeida. O empreiteiro se disse ofendido porque Lúcio Flávio Pinto o chamou de “pirata fundiário”, em uma de suas matérias publicadas em 1999 no Jornal Pessoal. Cecílio do Rego Almeida grilou uma área de quase cinco milhões de hectares no Vale do rio Xingu, conhecida como Terra do Meio, no Pará.

Nestas terras há a exploração de madeira, mineração e garimpagem, além de tráfico de drogas e contrabando de ouro (LOUREIRO, 2009). Por ser rica em recursos naturais, a Terra do Meio apresenta um histórico de muitos conflitos entre vários atores sociais.

Nessa região, os pequenos produtores são ameaçados de morte, juntamente com agente pastoral, religiosos e membros de entidades não-governamentais que a estes conferem seu apoio na luta pela terra de trabalho. Outros atores sociais como agrimensores, fazendeiros, trabalhadores-escravos, “gatos”, peões, grileiros e fraudadores de papéis, matadores de aluguel, pilotos de pequenos aviões que aterrissam em campos de pouso clandestinos, garimpeiros, contrabandistas, madeireiros, compõem o quadro de personagens que se enredam em conflitos que, às vezes, tomam proporções impensáveis, envolvendo centenas de pessoas (LOUREIRO, 2009, P.78).

Esses conflitos sociais, exaustivamente analisados nas páginas do Jornal Pessoal, não passaram à margem da terra grilada pelo empreiteiro. Apesar de a área ter sido declarada patrimônio público pela justiça federal e o nome de Cecílio do Rego Almeida aparecer no “Livro Branco” da grilagem de terras do governo federal, o jornalista foi condenado a pagar 8 mil reais em valores de 2006. Este ano o valor corrigido chegou a R$ 25.116,75. As evidências da grilagem, fartamente comprovada em documentos pelo jornalista, foram deixadas de lado pelos magistrados do TJE-Pa que acompanhavam o caso. Cecílio do Rego Almeida faleceu em 2008, mas os herdeiros assumiram a causa.

Em uma semana de mobilização na web, a rede “Somos Todos Lúcio Flávio Pinto” conseguiu o valor necessário para pagar a sentença indenizatória determinada em 2006 pelo Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJE). Lúcio Flávio Pinto, em carta publicada aos seus leitores no dia 14 de fevereiro do ano passado, disse que não acreditava mais na Justiça do Estado do Pará, e informou que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) alegou o seguinte argumento ao não receber seu recurso:

“(…) Em razão da deficiente formação do instrumento; falta cópia do inteiro teor do acórdão recorrido, do inteiro teor do acórdão proferido nos embargos de declaração e do comprovante de pagamento das custas do recurso especial e do porte de remessa e retorno dos autos”. […] A partir daí eu teria prazo para entrar com um recurso contra o ato do ministro. Ou então através de uma ação rescisória. Como o ministro do STJ negou seguimento ao agravo, a corte não pode apreciar o mérito do recurso especial. A única sentença de mérito foi a anterior, do Tribunal de Justiça do Estado, que confirmou minha condenação, imposta pelo juiz substituto (não o titular, portanto, que exerceu a jurisdição por um único dia) de uma das varas cíveis do fórum de Belém. Com a ação, o processo seria reapreciado (…) (PINTO, 2012b).

Como o TJE-PA demorou a executar a sentença, no dia 12 de março de 2013, Lúcio Flávio Pinto compareceu espontaneamente na sede do Tribunal e pediu para pagar a indenização à família do empreiteiro, depositando o valor de R$ 25.116,75 em conta do poder judiciário. A postura do jornalista, inédita neste fórum amazônico, movimentou novamente as redes sociais do mundo.

Eis a imagem do site criado pela rede Somos Todos Lúcio Flávio Pinto com a nota ao público do jornalista divulgando que fez o pagamento da indenização à família do empreiteiro.

À época, a campanha de arrecadação pela internet do manifesto pró-Lúcio Flávio Pinto contou com a seguinte conta: Banco do Brasil, agência 3024-4, conta-poupança 22.108-2, em nome de Pedro Carlos de Faria Pinto, irmão do jornalista e administrador do fundo. Após a campanha atingir a soma do valor indenizatório, Lúcio Flávio Pinto agradeceu a todos e solicitou a suspensão da contribuição financeira. “(…) Quem vai pagar pela decisão aviltante do TJE do Pará será o contribuinte, o cidadão, que, no dia da execução da sentença absurda, comparecerá ao Palácio da Justiça para testemunhar o ato desonroso. Dessa roda não participaram as instituições. (…) Elas se calaram, se omitiram ou se acovardaram” (PINTO, 2012).

O ativismo político da rede “Somos Todos Lúcio Flávio Pinto” não permaneceu apenas no universo virtual. No ano passado houve mobilização social por meio de diversas campanhas para coleta de assinaturas em praças públicas de Belém, como Praça da República, logradouro escolhido para o lançamento do abaixo-assinado pró-Lúcio Flávio Pinto. O documento, que registra a história de perseguição do jornalista na Amazônia, alvo de 33 processos na Justiça do Pará, foi encaminhado pelo Sindicato dos Jornalistas do Estado do Pará (Sinjor-Pará) ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com centenas de assinaturas.

A rede promoveu ainda mesas-redondas, palestras e seminários. Um ato público importante aconteceu no dia 6 de março de 2012, no auditório do Ministério Público Federal – Pará. O evento contou com debates, mostra de vídeo, apresentação de música e mais coleta de assinatura. Houve transmissão ao vivo pela internet.

No dia 27 de fevereiro de 2013 foi lançada outra manifestação nacional em solidariedade a Lúcio Flávio Pinto por importantes associações públicas, movimentos sociais, partidos políticos, sindicatos, universidades, além de adesões individuais. No documento da manifestação destacam-se não só o caso da grilagem de terras na Amazônia por Cecílio Rego Almeida, mas também os processos jurídicos de 1992/1993 e de 2005 pela família Maiorana, com 19 ações, entre cíveis e criminais no TJE-PA, contra Lúcio Flávio Pinto. O jornalista em artigo do alternativo, edição de capa, nº 337, intitulada “O rei da quitanda”, denunciou o monopólio dos meios de comunicações pela família Rômulo Maiorana na Amazônia e seu esquema de poder político e econômico sobre governos e empresas. De acordo com trechos do manifesto:

“(…) O judiciário paraense, em grande parte, tem usado parâmetros claramente tendenciosos quando avalia os processos contra LFP. Em geral são dois pesos e duas medidas. O peso da bigorna inevitavelmente tem ficado nas costas do jornalista. (…) Analisando os processos, observa-se que vários foram os juízes que se afastaram dos casos que envolvem LFP e os poderosos da região, alguns por suspeição, outros alegando motivo de foro íntimo. O forte simbolismo da ‘justiça cega’ estará sempre ancorado na crença da imparcialidade, essência da mesma. Quando a justiça, e aqueles que cuidam dela, fecha os olhos para si mesma, abrem-se os tortos caminhos pautados, apenas, por interesses políticos e econômicos. Lúcio Flávio Pinto, a sociedade brasileira e, em especial, a sociedade paraense, só querem que a justiça seja cega, e justa (…)” (Manifesto em defesa de LFP, 2013).

A divulgação na internet do manifesto remete aos argumentos de Downing, quando ressalta que na era da comunicação alternativa na web há duas questões importantes a se considerar no que diz respeito aos produtores de mídias alternativas e os ativistas populares. A primeira é que por meio das redes eletrônicas, os cidadãos envolvidos nos movimentos sociais podem se expressar diretamente por meio de documentos postados na Rede das redes. Isso suscita uma mudança democrática substancial ao trocar “a estratégia de dar voz aos que não têm voz pela estratégia de deixar as pessoas falar por si mesmas” (Downing, 2002, p.275). Já a segunda está ligada às tendências socioeconômicas contemporâneas forçando “os ativistas sociais a lutarem para proteger as liberdades civis e os direitos humanos, ao mesmo tempo em que contestam as políticas econômicas regressivas” (2002, p. 275).

Sob este aspecto proposto por Downing, as fronteiras que separavam o jornalismo de Lúcio Flávio Pinto dos ativistas populares e intelectuais que apoiam a sua causa estão cada vez mais tênues. No site “Somos Todos Lúcio Flávio Pinto” é possível observar uma hibridização de textos do jornalista com opiniões, textos e outras postagens dos ativistas e leitores do Jornal Pessoal.

Mais uma vez, a rede “Somos Todos Lúcio Flávio Pinto” tem provocado a formação de várias redes de ativismo político na web. As entidades que assinam novo manifesto são:

Alternativas para a Pequena Agricultura no Tocantins (APA-TO); Associação Brasileira dos Ogãs (ABO), Associação das Organizações das Mulheres Trabalhadoras do Baixo Amazonas (AOMT-BAM), Associação de Artesãos do Estado do Amapá (AART – AP), Associação de Divisão Comunitária e Popular (ADCP), Associação de Gays, Lésbicas e Transgêneros de Santana (AGLTS), Associação de Hortifrutigranjeiros, Pescadores e Ribeirinhos de Marabá (AHPRIM), Associação de Moradores Quilombolas da Comunidade de São Tomé do Aporema (AMQCSTA),Associação de Mulheres do Abacate da Pedreira (AMAP), Associação de Mulheres Mãe Venina do Quilombo do Curiaú (AMVQC), Associação de Proteção ao Riacho Estrela e Meio Ambiente (APREMA), Associação dos Moradores do Bengui (AMOB), Associação Educacional Mariá (AEM)Associação em Áreas de Assentamento no Estado do Maranhão (ASSEMA), Associação Grupo Beneficente Novo Mundo (GBNM), Associação Sociocultural de Umbanda e Mina Nagô (ACUMNAGRA)Encanto – Casa Oito de Março – Organização Feminista do Tocantins, Centro de Cultura Negra do Maranhão (CCN),Centro de Estudos e Defesa do Negro do Pará (CEDENPA), Centro de Treinamento e Tecnologia Alternativa Tipiti (CENTRO TIPITI), Centro Pedagógico e Cultural da Vila Nova (CPCVN), Centro Popular pelo Direito a Cidade (CPDC), Coletivo Jovem de meio Ambiente do Pará (CJ-PA), Comunidade de saúde, desenvolvimento e educação (COMSAÚDE), Confederação Nacional das Associações de Moradores (CONAM),Cooperativa de Mulheres Trabalhadoras da Bacia do Bacanga (COMTRABB), Cooperativa de Trabalho, Assistência Técnica, Prestação de Serviço e Extensão Rural (COOPTER),Federação das Associações de Moradores e Organizações Comunitárias de Santarém (FAMCOS),Federação das Entidades Comunitárias do Estado do Amapá (FECAP), Federação de Cultos Afroreligiosos de Umbanda e Mina Nagô (FECARUMINA), Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (FASE – Programa Amazônia),Fórum Carajás,Fórum de Participação Popular em Defesa dos Lagos Bolonha e Água Preta e da APA/Belém – Fórum dos Lagos, Fórum dos Movimentos Sociais da BR-163/PA (FMS BR-163), Fórum dos Movimentos Sociais de Belterra (FMSB), Fundação Tocaia (FunTocaia), Grupo das Homossexuais Thildes do Amapá (GHATA), Grupo Identidade LGBT, Grupo Ipê Amarelo pela Livre Orientação Sexual (GIAMA), Instituto de Desenvolvimento Social e Apoio aos Direitos Humanos Caratateua (ISAHC), Instituto de Divulgação da Amazônia (IDA), Instituto de Mulheres Negras do Amapá (IMENA), Instituto EcoVida, Instituto Saber Ser Amazônia Ribeirinha (ISSAR), Instituto Trabalho Vivo (ITV), Irmãs de Notre Dame de Namur (SNDdeN), Marcha Mundial das Mulheres (MMM – AP), Movimento dos Trabalhadores Sem Teto Urbano (MSTU), Movimento Afrodescendete do Pará (MOCAMBO), Movimento de Mulheres das Ilhas de Belém (MMIB) Movimento de Mulheres Empreendedoras da Amazônia (Moema), Movimento de Promoção da Mulher (Moprom), Movimento República de Emaús (MRE), Mulheres de Axé, Rede de Educação Cidadã (RECID), Sindicato das Empregadas Domésticas do Estado do Amapá (SINDOMESTICA), Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Santarém (STTR/STM), Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR-MA),Sociedade de Defesa dos Direitos Sexuais na Amazônia (SODIREITOS), União Folclórica de Campina Grande (UFCG), União Municipal das Associações de Moradores de Laranjal do Jarí (UMAMLAJ), Associação Paraense de Apoio às Comunidades Carentes (APACC), Associação dos Concursados do Pará (ASCONPA), Associação Sindical Unidos Pra Lutar, Comissão Pastora da Terra (CPT/PA), Conselho Indigenista Missionário Regional Norte II (CIMI), Comitê Dorothy, Central Sindical e Popular CONLUTAS, Diretório Central dos Estudantes/UFPA, Diretório Central dos Estudantes/UNAMA, Diretório Central dos Estudantes/UEPADiretório Central dos Estudantes/UFRA, Fórum da Amazônia Oriental (FAOR), Fórum Social Pan-Amazônico (FSPA), Fundo Dema/FASE, Instituto Amazônia Solidária e Sustentável (IAMAS), Instituto Universidade Popular (UNIPOP), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento Luta de Classes (MLC), Movimento Estudantil Vamos à Luta, Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), Partido Comunista Brasileiro (PCB), Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados (PSTU), Partido Comunista Revolucionário (PCR), Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH)Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal do Pará (SINTSEP/PA), Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil de Belém e Ananindeua,Vegetarianos em Movimento (VEM), Associação Indígena Tembé de Santa Maria do Pará (AITESAMPA), Associação dos Empregados do Banco da Amazônia (AEBA), Fórum de Mulheres da Amazônia Paraense (FMAP), Grupo de Mulheres Brasileiras (GMB), Instituto Amazônico de Planejamento, Gestão Urbana e Ambiental (IAGUA), Mana-Maní Círculo Aberto de Comunicação, Educação e Cultura, Rede de Juventude e Meio Ambiente (REJUMA), Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN), Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Gestão Ambiental do Estado do Pará (SINDIAMBIENTAL), JUNTOS! Coletivo de Juventude, Sindicato dos Trabalhadores das Instituições Federais de Ensino Superior no Estado do Pará (SINDTIFES), Tô Coletivo, Assembléia Nacional dos Estudantes – Livre (ANEL), Grêmio da Escola Estadual “Ulysses Guimarães”, Contraponto, Associação dos Funcionários do BANPARÁ (AFBEPA), Associação Ka’apor Ta Hury do Rio Gurupi – MA, Núcleo Ka’apor de Agroecologia do Turiaçu – MA (NUKA’ATURI), Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social, Movimento Xingu Vivo Para Sempre, Centro de Formação do Negro e Negra da Transamazônica e Xingu, Mutirão pela Cidadania, Movimento das Mulheres do Campo e Cidade – Regional Transamazônica e Xingu, Associação Rádio Comunitária Nativa de Altamira, Justiça Global, GT Combate ao Racismo Ambiental, Entidades que integram o GT Combate ao Racismo Ambiental, AATR – Associação de Advogados de Trabalhadores Rurais no Estado da Bahia – Salvador – BA, Amigos da Terra Brasil – Porto Alegre – RS, ANAÍ – Salvador – BA, APROMAC – Associação de Proteção ao Meio Ambiente de Cianorte – PR, Associação Aritaguá – Ilhéus – BA, Associação de Moradores de Porto das Caixas (vítimas do derramamento de óleo da Ferrovia Centro Atlântica) – Itaboraí – RJ, Associação Socioambiental Verdemar – Cachoeira – BA, CEDEFES (Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva) – Belo Horizonte – MG, Central Única das Favelas (CUFA-CEARÁ) – Fortaleza – CE, Centro de Estudos e Defesa do Negro do Pará (CEDENPA) – Belém – PA, Centro de Cultura Negra do Maranhão – São Luís – MA, Coordenação Nacional de Juventude Negra – Recife – PE, CEPEDES (Centro de Estudos e Pesquisas para o Desenvolvimento do Extremo Sul da Bahia) – Eunápolis – BA, CEERT (Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades) – São Paulo – SP, CPP (Conselho Pastoral dos Pescadores) Nacional, CPP BA – Salvador – BA, CPP CE – Fortaleza – CE, CPP Nordeste – Recife (PE, AL, SE, PB, RN), CPP Norte (Paz e Bem) – Belém – PA CPP Juazeiro – BA, CPT – Comissão Pastoral da Terra Nacional, CRIOLA – Rio de Janeiro – RJ EKOS – Instituto para a Justiça e a Equidade – São Luís – MA, FAOR – Fórum da Amazônia Oriental – Belém – PA, FAPP-BG – Fórum dos Atingidos pela Indústria do Petróleo e Petroquímica nas Cercanias da Baía de Guanabara – RJ, Fase Amazônia – Belém – PAFase Nacional (Núcleo Brasil Sustentável) – Rio de Janeiro – RJ, FDA (Frente em Defesa da Amazônia) – Santarém – , PA, Fórum Carajás – São Luís – MA Fórum de Defesa da Zona Costeira do Ceará – Fortaleza – CE, FUNAGUAS – Terezina – PIGELEDÉS – Instituto da Mulher Negra – São Paulo – SP, Grupo de Pesquisa da UFPB – Sustentabilidade, Impacto e Gestão Ambiental – PB, GPEA (Grupo Pesquisador em Educação Ambiental da UFMT) – Cuiabá – MT, Grupo de Pesquisa Historicidade do Estado e do Direito: interações sociedade e meio ambiente, da UFBA – Salvador – BA, GT Observatório e GT Água e Meio Ambiente do Fórum da Amazônia Oriental (FAOR) – Belém – PA, IARA – Rio de Janeiro – RJ, Ibase – Rio de Janeiro – RJ, INESC – Brasília – DF, Instituto Búzios – Salvador – BA, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense – IF Fluminense – Macaé – RJ, Instituto Terramar – Fortaleza – CE, Movimento Cultura de Rua (MCR) – Fortaleza – CE, Movimento Inter-Religioso (MIR/Iser) – Rio de Janeiro – RJ, Movimento Popular de Saúde de Santo Amaro da Purificação (MOPS) – Santo Amaro da Purificação – BA, Movimento Wangari Maathai – Salvador – BA, NINJA – Núcleo de Investigações em Justiça Ambiental (Universidade Federal de São João del-Rei) – São João del-Rei – MG, Núcleo TRAMAS (Trabalho Meio Ambiente e Saúde para Sustentabilidade/UFC) – Fortaleza – CE, Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego – Macaé – RJ, Omolaiyè (Sociedade de Estudos Étnicos, Políticos, Sociais e Culturais) – Aracajú – SE, ONG.GDASI – Grupo de Defesa Ambiental e Social de Itacuruçá – Mangaratiba – RJ, Opção Brasil – São Paulo – SP, Oriashé Sociedade Brasileira de Cultura e Arte Negra – São Paulo – SP, Projeto Recriar – Ouro Preto – MG, Rede Axé Dudu – Cuiabá – MT, Rede Matogrossense de Educação Ambiental – Cuiabá – MT, RENAP Ceará – Fortaleza – CE, Sociedade de Melhoramentos do São Manoel – São Manoel – SP, Terra de Direitos, Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), TOXISPHERA – Associação de Saúde Ambiental – PR, Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), Revista Polichinello. Integrantes do GT Combate ao Racismo Ambiental.

Adesões individuais: Ana Almeida – Salvador – BA; Ana Paula Cavalcanti – Rio de Janeiro – RJ; Angélica Cosenza Rodrigues – Juiz de Fora – Minas; Aparecida Oliveira – ILhéus – BA; Brenda Vicente Taketa – Belém – PA; Carmela Morena Zigoni – Brasília – DF; Cecília Mendes – Belém – PA; Célia Trindade Amorim – Professora da Faculdade de Comunicação da UFPa – PA; Cíntia Beatriz Müller – Salvador – BA; Cláudio Silva – Rio de Janeiro – RJ; Cristóvam Araújo – Daniel Fonsêca – Fortaleza – CE; Daniel Silvestre – Brasília – DF; Danilo D’Addio Chammas – São Luiz – MA; Diogo Rocha – Rio de Janeiro – RJ; Edgar Castro; Eleonor Cunha; Ericson Quaresma Aires – Belém – PA; Fernando Rabello – Parintins – AM; Florival de José de Souza Filho – Aracajú – SE; Igor Vitorino – Vitória – ES; Inaldo da Conceição Vieira Serejo – São Luís – MA; Janaína Tude Sevá – Rio de Janeiro – RJ; João Barbosa; José Cláudio Seixas de Aragão; José Maria Souza; Josie Rabelo – Recife – PE; Juliana Souza – Rio de Janeiro – RJ; Leila Santana – Juazeiro – BA; Luan Gomes dos Santos de Oliveira – Natal – RN; Luís Claúdio Teixeira (FAOR e CIMI) Belém- PA; Marco Antonio Baima de Oliveira; Maria do Carmo Barcellos – Cacoal – RO; Marly Silva – Belem – PA; Maurício Paixão – São Luís – MA; Mauricio Sebastian Berger – Córdoba, Argentina; Mateus Breyer; Myriam Reeve – São Paulo – SP; Norma Felicidade Lopes da Silva Valencio – São Carlos – SP; Paulo Faria – Companhia Teatral Pessoal do Faroeste – SP; Pedro Rapozo – Manaus – AM; Raquel Giffoni Pinto – Volta Redonda – RJ; Revista Polichinello / Nilson Oliveira; Ricardo Stanziola – São Paulo – SP; Robin Wright – Universidade da Flórida – EUA; Rodrigo Basrros; Rodrigo dos Santos – São Paulo – SP; Rosângela Martins; Rose Silveira – São Paulo – SP; Roseana de Seixas Brito – Rio de Janeiro – RJ; Rosivaldo Amorim – Professor da UFPa – PA; Ruben Siqueira – Salvador – BA; Rui Kureda – São Paulo – SP; Samuel Marques – Salvador – BA; Sebastião Raulino – Rio de Janeiro – RJ; Sérgio Gustavo Figueira Fialho; Sheila Luppi; Tania Pacheco – Rio de Janeiro – RJ; Telma Monteiro – Juquitiba – SP; Telma Oliveira; Teresa Cristina Vital de Sousa – Recife – PE; Tereza Ribeiro – Rio de Janeiro – RJ; Thadeu Lobo; Thais Pinheiro – Belém – PA; Vânia Regina de Carvalho – Belém – PA; Vitor Mendes – Waldir Cardoso – Belém – PA; Yan Quaresma – Sebo Porão Cultural – Belém- PA.

Considerações finais

Na geopolítica contemporânea a Amazônia não pode mais ser um reduto exclusivo de uma elite que nasceu fadada a encarar a região como colônia de matérias primas e de produtos semielaborados para alimentar somente o mercado internacional. Não se admite mais uma história que privilegie apenas interesses de uma minoria historicamente favorecida.

A rede “Somos Todos Lúcio Flávio Pinto” é um exemplo de rebeldia e ativismo político na web contra a perseguição jurídica e política que vem enfrentando o jornalista há 21 anos, e de forma mais ampla, contra todas as injustiças sociais da região. Trata-se de um movimento que utiliza a Rede das redes para exigir no debate global o direito à liberdade de comunicação na Amazônia sem os filtros oficiais do Estado, dos meios de comunicação aliados, e de um Tribunal que ousa transgredir formas elementares de direitos, incluído os da Constituição do País.

Negligenciar a história de luta do jornalista Lúcio Flávio Pinto, é negligenciar uma parte considerável da história contemporânea da Amazônia. As adesões à luta do jornalista continuam. Para apoiar o movimento, basta acessar o site da rede “Somos Todos Lúcio Flávio Pinto” na web.

Referências bibliográficas

BECKER, Berta K. Geopolítica da Amazônia. Conferência do Mês do Instituto de Estudos Avançados da USP proferida pela autora em 27 de abril de 2004. In: Estudos avançados 19 (53), 2005.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

DOWNING, John. Mídia Radical: rebeldia nas comunicações e movimentos sociais. São Paulo: Senac, 2002.

FERRARI, Pollyana. A Força da Mídia Social – Interface e linguagem jornalística no ambiente digital. São Paulo: Editora Factash, 2010.

LOUREIRO, Violeta Refklefsky. A Amazônia no século XXI, novas formas de desenvolvimento. São Paulo: Editora. Empório do Livro, 2009.

PINTO, Lúcio Flávio. Guerra Amazônica – o jornalismo na linha de tiro de grileiros, madeireiros, intelectuais etc.Belém: O Autor, 2005, 300 p. Edição independente com textos extraídos do Jornal Pessoal.

Jornais:

PINTO. Lúcio Flávio. “O rei da quitanda”. Jornal Pessoal, nº 337, 1 quinz.de jan. 2005.

______. O fim da “Ceciolândia”. Jornal Pessoal, nº 508, 1ª quinz. mar. de 2012a.

______. Grilagem. “A pirataria nas terras da Amazônia”. Dossiê Jornal Pessoal, nº 1, mar. de 2012b.

_____. “Pará recupera terras”. Jornal Pessoal, nº 533, mar. de 2013.

Sites:

Lúcio Flávio Pinto agradece ao Público pela solidariedade.https://somostodoslucioflaviopinto.wordpress.com/2012/03/02/lucio-flavio-pinto-agradece-ao-publico-pelo-sucesso-da-campanha/. Acesso dia 12 de novembro, de 2012

Lançamento de abaixo-assinado em favor de LFPhttps://somostodoslucioflaviopinto.wordpress.com/2012/03/04/lancamento-de-abaixo-assinado-em-favor-de-lfp/. Acesso dia 14 de dezembro de 2012.

Jornalista ameaçado: somos todos Lúcio Flávio. IN Balaio do Kotscho. http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2012/02/14/jornalista-ameacado-somos-todos-lucio-flavio. Acesso dia 30 de novembro de 2012.

Um ano de Primavera Árabe, a primavera inacabada. In http://topicos.estadao.com.br/primavera-arabe. Acesso dia 11 de fevereiro de 2013.

Pelo Brasil, um desejo comum: “Fora, Feliciano”. http://noticiavirtual.net.br/pelo-brasil-um-desejo-comum-fora-feliciano. Acesso dia 25 de março de 2013.

Deixe um comentário

Arquivado em Ação coletiva

Veja as principais notícias do Jornal Pessoal que chega às bancas

Edição de nº 539 do Jornal Pessoal já está nas bancas a R$ 5.

GOVERNO JATENE

Improbidade com Maiorana

A administração estadual sustenta a ORM Air, de Romulo Maiorana Júnior, com contrato ilegal no valor de R$ 2,6 milhões. O Ministério Público do Estado denunciou à justiça o principal executivo do grupo Liberal e dois oficiais da PM por improbidade administrativa. A ação foi instaurada.

E mais:

  • CENSURA À IMPRENSA EM PLENA DEMOCRACIA
  •  CÃES SÃO MORTOS. E AS CRIANÇAS?
  •  MAIS UNIVERSIDADES, MENOS DEBATES

Deixe um comentário

Arquivado em O que Lúcio nos diz