Lúcio Flávio Pinto, jornalista da Amazônia

Texto escrito originalmente a convite da Cia Pessoal do Faroeste, de SP, para homenagem feita a Lúcio Flávio Pinto em maio de 2011. A ideia parte de uma associação já feita pelo historiador paraense Vicente Salles no livro Marxismo, Socialismo e os Militantes Excluídos (Paka-Tatu, 2001), no qual Salles apresenta a biografia de Bento Aranha com uma epígrafe retirada de texto de LFP.

Capa do jornal Correio Paraense, 18/07/1892

Retrato de Bento de Figueiredo Tenreiro Aranha II, aos 51 anos, por Carlos Wiengandt, 1892.

A história é tanto memória quanto esquecimento. Por vários itinerários, pessoas e fatos podem ser conduzidos ao obscurantismo, inclusive por sua “impertinência” à memória ou à história oficial.

Em 16 de março de 1894, o jornalista paraense Bento de Figueiredo Tenreiro Aranha II, neto de importante poeta homônimo, iniciou sua caminhada para o esquecimento. O jornal de sua propriedade, o Correio Paraense, sediado em Belém, foi fechado pela polícia do republicano Lauro Sodré por veicular críticas mordazes contra o governo, companhias públicas, bancos, empreiteiros, entre outros alvos. Ele, que era um dos mais ferrenhos defensores da República, repudiava os rumos do governo instaurado e sua associação às velhas oligarquias. Pagou caro por isso.

Naquele mesmo mês, o jornalista fora condenado pela justiça à prisão e ao pagamento de 800 mil réis em processo por injúria movido pelo poderoso Barão do Marajó, que era intendente de Belém e ganhara o direito de explorar o serviço da rentável Companhia das Águas. Bento Aranha denunciou esse privilégio em favor da moralidade pública. Anos depois, a justiça reconheceu erros no processo e revogou a condenação. No entanto, quem hoje conhece a saga desse intelectual e de seu jornal que tanto incomodavam os poderosos?

Bento Aranha foi o Lúcio Flávio Pinto do século 19. Lúcio Flávio Pinto, também paraense, reedita, de modo muito particular, a figura de Bento Aranha, como se fossem gêmeos astrais. Em mais de 40 anos de atividade jornalística, acumula dezenas de processos na justiça e algumas condenações por incomodar tanto a empresários, juízes e desembargadores com suas denúncias – nunca contestadas. Recorre das sentenças, denuncia erros nos julgamentos e os conluios de bastidores. Por sua atuação, já foi até agredido fisicamente por um empresário em local público, em episódio amplamente noticiado. É um “impertinente” à história do presente na Amazônia.

Ao mesmo tempo, coleciona prêmios nas áreas de jornalismo e de direitos humanos concedidos por instituições nacionais e internacionais de reconhecida importância, como o Committee to Protect Journalists (CPJ), entidade que defende a liberdade de expressão e acompanha o trabalho de jornalistas no mundo todo. Além disso, o apoio de intelectuais e ações de solidariedade vez por outra reiteram a importância da causa pública de Lúcio Flávio Pinto. Por que esse descompasso entre uma realidade e outra?

Porque Lúcio Flávio, com sua fala crítica, sua escrita ácida e seu precário, mas persistente, Jornal Pessoal, destoa em uma região ainda dominada pela triste toada dos coronéis do asfalto ou donos das cidades e do judiciário. Desafina, portanto, o coro de quem aposta no fado colonial da Amazônia, onde calar, ou fazer calar, ainda é a “melhor” saída.

Lúcio Flávio Pinto, ao não se calar, traça o próprio destino. Estará a salvo do esquecimento? A história do futuro dirá.

Rose Silveira

jornalista e historiadora

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Sobre ele

Uma resposta para “Lúcio Flávio Pinto, jornalista da Amazônia

  1. Paulo Faria

    Valeu, Rose

Manifeste solidariedade

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s